Coronavírus e ansiedade

“Vou ser infectada pelo COVID-19? Vou transmitir coronavírus aos meus familiares? Serei a responsável caso alguém se infecte? Mas, como manter o isolamento social se eu tenho que trabalhar?

Os boletos estão acumulando. O estoque de comida reduzindo. Vou ficar em casa e fazer o quê? Já não aguento ver netflix e já enjoei de qualquer programa na tv. Eu deveria fazer todos os cursos online pra me desenvolver.

Eu deveria aproveitar pra ler todos os livros que ainda não li. Mas calma, antes tenho que terminar de ler os que comecei e não terminei. Eu tenho que seguir o exemplo daquela garota que também está na quarentena e faz exercícios todo dia às 6h da manhã. Eu tenho que ser produtiva!

O problema é que eu não quero acordar cedo. Mas se eu continuar comendo o tempo todo, vou engordar. O que faço com a minha saúde? Eu preciso cuidar da minha saúde! Eu quero cuidar da minha família!

E se eu não puder mais abraçar ninguém? Sempre reclamei que a vida era tão difícil mas, SOCORRO, o que está acontecendo agora? Quando isso vai acabar? Espero que logo. Eu preciso que acabe logo. Eu PRECISO que acabe logo.” (pensamento de uma pessoa ansiosa na pandemia de coronavírus)

A ansiedade é considerada a doença do século, e não é à toa. Ela se manifesta através de pensamentos acelerados que não descansam a mente, sendo o resultado do ritmo de vida acelerado e da quantidade de cobranças e preocupações presentes no nosso cotidiano.

E justamente agora, em plena pandemia e isolamento social, que a ansiedade vêm ganhando força. Afinal, quem nunca se preocupou excessivamente com o momento que estamos vivendo?

Acontece que nem sempre a ansiedade se manifesta apenas através de pensamentos acelerados. O nosso corpo pode transmitir alguns sintomas quando a pessoa começa a ter uma crise de ansiedade: palpitação (coração acelerado), dormências nos braços e pernas, tremores, sudorese, calafrios, náuseas, dor no peito e falta de ar. FALTA DE AR? Não é o mesmo sintoma que indica gravidade quando a pessoa está com coronavírus?

Essa é a dúvida que mais nos preocupa e é simples de entender como diferenciar sintomas de coronavírus e crise de ansiedade.

Para começar, temos que lembrar que coronavírus se manifesta por febre, tosse, prostração e qualquer sintoma gripal no geral. Importante observar se a pessoa está com sintomas de gripe, pois pode ajudar a descartar a crise de ansiedade.

Quem tem crise de ansiedade não tem febre! Em caso de febre e falta de ar, a chance de ser crise de ansiedade é mínima. Além disso, é fundamental entender que a falta de ar numa crise de ansiedade não é constante, e que a falta de ar não piora quando a pessoa passa a fazer algum movimento ou atividade de pequeno esforço.

Em caso de COVID-19, por exemplo, a pessoa com falta de ar pode não conseguir subir um degrau de escada ou então fazer qualquer atividade da rotina básica.

Ainda que tudo isso pareça confuso, não se preocupe. Nós do Teste do Corona estamos aqui para isso! Basta colocar os sintomas que você está sentindo que vamos te ajudar no que você deve fazer.